A variável "Mochileiro das Galáxias" no javascript

O termo é novo, mas o conceito é antigo. Sabe aquela variável que você cria no javascript, global, que você acessa em qualquer função, em qualquer js? Eis o seu mochileiro da galáxia!

O conceito é simples, e foi batizado por autores de livros sobre Java usando o famoso livro Guia do Mochileiro da Galáxia; no livro, o protagonista descobre que seu melhor amigo é um extraterrestre e logo após, a Terra é destruída; a partir daí, começa uma grande viagem por várias galáxias. Na programação Java, é comum ver desenvolvedores criarem objetos (esqueça o conceito de variável por enquanto) que viajam entre diversas camadas da aplicação, funcionando como faz-tudo, passando por cima de qualquer escopo e, muitas vezes, tornando impossível descobrir quem está realmente alterando o quê no seu programa.
* a primeira vez que vi esse termo foi num artigo da revista Mundo Java, exposto em partes aqui.

 Agora, imagine: se em Java que a orientação a objetos é algo inerente ao desenvolvimento, imagine a dor-de-cabeça que tais variáveis (podem ser objetos também) podem causar no javascript, onde o desenvolvedor pode simplesmente implementar da forma que quiser – e, tenham certeza, a forma mais rápida é sempre aquela que dá mais brecha para problemas bizarros.
E digo isso por experiência própria: quantas vezes eu não criei uma variável global no javascript, e meses depois ia lá implementar (ou alguém da equipe ia pegar meu código) algo e do nada coisas começavam a quebrar… até descobrir que eu havia criado 2 variáveis globais!!!

Certamente a orientação a objetos ajuda -e muito – a diminuir essa questão. Para quem desenvolve e acha pataquada, dê um passo atrás e procure pelos benefícios da mesma. Existe claro a curva de aprendizado, há novos paradigmas para quem vêm da programação estruturada, é mais complexa, mas vale a pena a longo prazo.
Ao mesmo tempo, orientação a objetos não é tudo. Se fosse, implementações em Java não teriam tal problema.

Aqui vão algumas sugestões (e que podem valer para outras linguagens):

  • usar o mínimo possível de variáveis globais
  • dar nomes que façam sentido às suas variáveis, isso diminui o problema de você criar uma variável global com nomes iguais (como javascript é interpretado e não compilado, não existe uma verificação de variáveis sendo instanciadas com o mesmo nome, o que não ocorre no primeiro caso)
  • sempre que for criar uma variável, usar a diretiva var. Por exemplo, quando for num laço for usar um contador, fazer:
        for(var i=0; i<array.length; i++)
    

    Porque? Assim você garante que sua variável i comece sempre com o valor igual a 0 (vai por mim, já passei por muitos perrengues por ter variáveis em contadores não inicializadas)

  • documentar as funções/classes – o que elas fazem, quais e de onde vêm os parâmetros utilizados, etc…; isso ajuda muito você a, no futuro, entender porque aquela variável global está fazendo ali e de onde ela veio.
  • nunca, jamais nessa vida, utilizar variáveis globais em retornos de métodos ajax. Porque? Eles são assíncronos. Logo, você pode acessar uma variável que está com um valor qualquer num momento, assumir que está correta, e o valor mudar no instante seguinte – levando você a loucura sem entender porque o fluxo esperado não é seguido. E, denovo, vão por mim: já tive dores de cabeça com isso :-/

 

*se alguém tiver outras sugestões, por favor, enviem 🙂

E eu não estou aqui querendo dizer "não usem variáveis globais"; até porque eu sei o quão difícil é em muitos momentos desenvolver em javascript, devido às suas limitações. A idéia é apenas usar com cuidado 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *