Como pegar preço de ações no Google Spreadsheet

Quem me acompanha no twitter ou facebook deve ter percebido que tenho algum interesse no mercado financeiro.

Apesar deste post não ser exatametne sobre código, eu acho que a programação vai além de criar código e algoritmo: eu, enquanto desenvolvedor, tenho como um dos objetivos do meu trabalho automatizar processos.

No último ano eu migrei todo meu controle de investimentos para uma planilha megazord no Google Drive que vai um pouco além do báico lucro/prejuízo por cada investimento. Nela faço cálculo do preço médio (que me ajudar no cálculo de imposto de renda que incide na venda de ações), proventos (para saber meu ganho real, e não apenas na valorização do ativo),  histórico de compras e vendas e alguns gráficos que permitem ver com facilidade exatamente como está a alocação da minha carteira – por tipo de investimento e, dentro disso, em cada investimento.

Uma das funções indisponesáveis para este tipo de acompanhamento  é ter a cotação dos ativos disponíveis de forma automática na planilha – e é isso que o  =GOOGLEFINANCE faz.

Para pegar o último preço disponível de um ativo, é só usar a fórmula passando como primeiro parâmetro o código (ticker) da ação, por exemplo:

=GOOGLEFINANCE(“ITSA4”)

O segundo parâmetro é qual atributo será solicitado, por padrão é o preço:

=GOOGLEFINANCE(“ITSA4”, “price”)

Alguns dos atributos que podem ser solicitados:

  • "price" – Cotação de preços em tempo real, com atraso de até 20 minutos.
  • "priceopen" – Preço no início do pregão.
  • "high" – Preço da alta no dia atual.
  • "low" – Preço da baixa no dia atual.
  • "volume" – O volume de negociações do dia atual.

Solicitando dados de um período de tempo

Utilizando os próximos 3 parâmetros é possível especificar o período de dados que você quer visualizar (data inicial e final) e a periodicidade da informação (diária ou semanal).

Por exemplo, para solicitar a máxima de ITSA4, diárias, de janeiro a outubro de 2018 tenho o seguinte:

=GOOGLEFINANCE(“ITSA4”, “high”, DATE(2018,1,1), DATE(2018,10,31), “DAILY”)

Lembrando que em qualquer fórmula do spreadsheet você pode substituir os parâmetros por valores em outras células – isso permite automatizar muita coisa – inclusive a geração de gráficos.

Por exemplo, se tenho na minha coluna A uma lista dos papéis que tenho em carteira e na coluna B quero exibir a última cotação disponível, em minha cédula B1 posso utilizar a fórmula:

=GOOGLEFINANCE(A1)

Importante lembrar que as cotações tem delay, não devem ser utilizadas para decisão de trade/compra e venda.

Com um pouco de criatividade, filtros e gráficos você pode ter um sistema de visualização e acompanhamento de investimento “taylor made” bem completo com pouco esforço .

Como também tenho cryptomoedas, em breve escrevo sobre como automatizar também a cotação delas lá no Google Spreadsheet.

Na documentação oficial você pode ver todos os atributos possíveis de solicitar com o GOOGLEFINANCE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *