Lumine – mapeamento de banco de dados para PHP

Quando entrei no meu atual emprego, quase 4 anos atrás, uma cosia que eu não conhecia mesmo era esse lance de frameworks.
Talvez pela mistura de ser novato em programação web (conhecia bem html/css e um pouco de php) e ter trabalhado com programação c/c++, onde os programadores prezam muito o fato de se conhecer como as coisas funcionam – e não só fazer funcionar.

No fundo, eu concordo: não acho o ideal já partir de cara para o uso de frameworks, sem nem saber como as coisas são feitas na unha. Até porque, quando aparece algum problema no desenvolvimento, na maior parte das vezes temos que mudar algo no framework, ou fazer um work-around indo lá no meio do código – ou seja, fazer o trabalho sujo de catar milho e escrever código.

Um dos frameworks que mais me chamou atenção foi o Hibernate. É um framework para aplicações java, para persistêcnia de dados. Basicamente, você persiste objetos (sim, objetos, aqueles, do conceito da Orientação a Objetos) em bancos de dados sem ter que se preocupar em como isso vai funcionar; ao invés de ter que ficar escrevendo querys SQL de consulta, inserção, deleção, etc… você chama apenas um método específico que os objetos herdam, e o framework faz todo o trabalho.
Qual a vantagem? Bancos de dados SQL possuem uma estrutura totalmente diferente da forma como os dados existem na orientação a objetos. Fazer código para manipular os dados é custoso – tanto em termos de tempo quanto de trabalho. Quando o framework se propõe a fazer isso, o ganho de produtividade é gigantesco. Sem falar que, com isso, mudar de um banco de dados para o outro é bem mais simples, pois normalmente frameworks desse tipo possuem tal suporte.

Depois de ter conhecido esse framework, fiquei um tempo pensando se não tinha nada parecido em PHP (que é a linguagem server-side para web que mais conheço). Foi quando me deparei com o Lumine. Ele surgiu depois que um programador PHP conheceu também o Hibernate e sentiu necessidade de fazer o mesmo para PHP.
*não conheço o autor desse framework, mas já deixo aqui meus parabéns pra ele
A configuração dele é muito fácil: você escolhe qual banco de dados vai usar (por enquanto pode usar MySQL e PostGree) e define as strings de conexão (login, senha, etc…).
Depois, faz o mapeamento das classes com relação às tabelas do banco. Ou seja, você específica que uma classe (por exemplo Pessoa) estará relacionada a uma tabela do bando (chamada tbl_pessoa) e que os atributos (por exemplo nome, idade, sexo) estarão relacionados a colunas específicas da tabela.
Feito isso, você pode usar os métodos específicos para manipulação dos dados, como inserir uma nova Pessoa:

// recupera o arquivo que faz a configuração de lumine
// descrita anteriormente em "inicializando a configuração"
require_once ´configuracao.php´;
// Importa a classe pessoa
Util::Import(´entidades.Pessoa´);
// instancia a classe pessoa
$pessoa = new Pessoa;
// atribui propriedades
$pesso->nome = ´Hugo´;
$pessoa->idade = 23;
$pessoa->cpf = ´12345678912´;
// persiste o objeto no banco, usando insert
$pessoa->insert();

 

Ou recuperar do banco:

// instancia um novo objeto
$pessoa = new Pessoa;
// recupera o objeto com código 1 pela primeira chave primária da classe
$total = $pessoa->get( 1 );

 

Fica muito mais fácil pois você deixa de ter que misturar as querys SQL no meio do seu código PHP; o desacoplamento é muito maior, e a legibilidade é bem melhor: faz muito mais sentido você ver no código Pessoa->insert() do que toda aquela linguiçona SQL…
Minha sugestão? Quando tiver um tempo, baixe esse framework e experimente. Explore. Há uma curva de aprendizado, claro, e no começo a produtividade cairá um pouco. Mas, depois, a agilidade que ele te dá valerá a pena 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *